Saiba 4 motivos para o antifraude ser imprescindível para um e-commerce

Cuidar de um e-commerce não é tarefa simples. Muitos empreendedores se iludem acreditando que a ausência de uma estrutura física faz com que uma loja virtual tenha uma manutenção barata. No entanto, há uma série de custos referentes a uma operação eficiente e saudável. Um deles é o antifraude, que muitas vezes acaba sendo visto como uma ferramenta “do mau”, que diminui a conversão de um site e serve “apenas” para barrar pedidos suspeitos. Mas não é bem isso…

É claro que, se a sua loja virtual está sendo alvo de compras indevidas e a quantidade de chargebacks está começando a preocupar, já passou da hora de contratar um sistema antifraude. Entretanto, um sistema de risco deve ir mais além.

Para nós, junto com a Konduto, um sistema de análise de risco eficiente deve, na verdade, maximizar a conversão de um e-commerce, aprovar a maior quantidade possível de pedidos diante do menor risco. Neste post, vamos te mostrar quatro provas de que um antifraude é uma ferramenta indispensável para uma loja virtual.


Antes de começar, por que é importante ter um antifraude?

Simples: para evitar que aconteçam fraudes e, consequentemente, reduzir o prejuízo com chargeback – que acontece quando um cliente não reconhece uma compra e solicita junto ao banco ou à operadora do cartão o estorno.

Há alguns agravantes aqui: no e-commerce, é o lojista que arca com o prejuízo do chargeback (e não os bancos ou as operadoras de cartão). Além disso, não existe no Brasil legislação específica a respeito de fraudes na internet, deixando as lojas desprotegidas e sem o amparo legal. Segundo estudo feito pela Konduto em 2018, estima-se que a cada 33 vendas on-line, 1 é tentativa de fraude.

Fica difícil imaginar um e-commerce sem um sistema antifraude depois de saber disso, não é mesmo? Queremos te apresentar as razões da importância da análise se risco ser tão importante para um e-commerce. Vamos lá?

 

 

 

 

 

1. Evitar gastos desnecessários com logística

Além de arcar com o valor do produto, o custo do envio também entra na conta para um lojista.

Enviar um pedido fraudulento significa pagar por custos embutidos e indiretos de transporte, tais como funcionários próprios ou o valor pago a uma transportadora. Lembre-se sempre de calcular esses gastos indiretos, inclusive contando todos os centavos!

Considere também custos com embalagens, etiquetas, plásticos, caixas, fitas… despesas que parecem insignificantes, mas que fazem diferença na conta final.

2. Não cancelar vendas legítimas

É comum que, ao identificar um número significativo de fraudes no seu e-commerce, você queira resolver o problema urgentemente e, com isso, adote uma política de rigidez agressiva na aprovação dos pedidos.

 

 

 

 

 

 

 

Mas há uma consequência ruim para esse tipo de atitude: cancelar vendas genuínas em função de uma suspeita indevida. O percentual de tentativas de fraude no e-commerce brasileiro está entre 3 e 4%; se a sua taxa de cancelamento for muito acima disso, você certamente está “apertando demais a torneira” e deixando de ganhar dinheiro.

3. Protege a credibilidade da sua loja

Esse não é um prejuízo financeiro, diretamente, mas colocar em risco a credibilidade da sua loja por conta de um grande número de fraudes não é uma boa ideia.

Imagine um consumidor real ter seu pedido negado por conta de um sistema extremamente rigoroso? Além de prejuízo, isso prejudica a experiência de compra, gerando frustração.

Mais uma vez, barrar muitos pedidos não significa que seu e-commerce está mais protegido. Pelo contrário: pode significar que você está deixando de vender e jogando fora todo o investimento em campanhas de marketing…

 

 

 

 

 

 


4. Não entrar em programa de chargebacks

As operadoras de cartão de crédito aceitam que um e-commerce tenha um índice de fraudes abaixo de 1% sobre o faturamento bruto. No momento em que sua loja virtual ultrapassa esse percentual, ou descumpre parâmetros estipulados por essas empresas, você pode fazer parte de um programa de chargeback.

Caso não mantenha percentuais aceitáveis em relação a fraudes, seu e-commerce passará a ser considerado um risco maior e será enviada uma notificação com um prazo para que você melhore seus índices até que volte ao padrão.

Se o percentual não diminuir, o seu e-commerce poderá receber multas (altas, e em dólar!) ou até mesmo ser descredenciado junto às bandeiras de cartão de crédito. Em um cenário que a grande parcela das compras na internet é feita utilizando este meio de pagamento, perdê-lo é um imenso prejuízo para sua loja virtual. Concorda?

 

 

 

 

 

 

 

Mas então, como superar os danos causados por uma fraude?

Nossa dica é a prevenção!
Os golpistas estão em constante atualização e realizando fraudes cada vez mais imperceptíveis ao consumidor comum. Além disso, suas ações não são casos isolados.

Dessa forma, existem dificuldades claras para lojas virtuais agirem em oposição à fraude sem contar com a ajuda de empresas especializadas em antifraude. Como vimos, neste artigo, os prejuízos gerados vão além dos financeiros e podem ser evitados.

Não arrisque a saúde do seu negócio, entre em contato conosco para saber mais sobre como proteger seu e-commerce!

Leave a comment