Blog Wevo

Marketplace para vendas: tire suas principais dúvidas sobre o assunto!

Marketplace para vendas é uma tendência forte no mercado digital. Em algum ponto da trajetória do seu e-commerce, você já deve ter se perguntado se vale a pena comercializar em um e quais cuidados precisa tomar antes de empreender nesse sentido, não é?

Neste artigo, você vai solucionar as principais dúvidas sobre marketplace para decidir se vale mesmo a pena trabalhar com um site desse tipo.

Nos próximos tópicos, descubra as vantagens, os riscos e o momento certo de se juntar a um “shopping virtual”!

O que é marketplace para vendas e como participar?

Basicamente qualquer texto que você encontrar sobre marketplace (até os nossos!) vai utilizar a mesma metáfora para explicá-lo: ele é como um shopping center digital, do ponto de vista do consumidor.

Corremos o risco de parecer clichês ao repetir essa idéia, mas ela é bastante apurada. No marketplace, o consumidor encontra grande diversidade de produtos, de marcas e até de segmentos em um único site!

Nesse caso, as lojas do “shopping center” são os e-commerces que disponibilizam o estoque no site.

O marketplace pode atender a um segmento específico (caso do Netshoes por exemplo, cujo foco são os artigos esportivos) ou ser bem generalistas (como o Walmart, que vende de tudo, desde sapatos até geladeiras).

Cada marketplace tem regras próprias para admitir a participação de um e-commerce. Normalmente, o processo se inicia com um cadastro simples, que exige que a marca já tenha uma loja virtual própria e apresente os dados básicos de funcionamento, como o CNPJ.

O site também pode verificar o tempo de funcionamento do negócio e a reputação da marca em sites de avaliação como a E-bit.

Quais são as vantagens de participar de um marketplace?

A grande vantagem do marketplace é a visibilidade que ele proporciona aos produtos das diferentes lojas participantes.

Quando você vende apenas em sua própria loja virtual, a oferta geralmente fica restrita ao tráfego pago (via anúncios) e ao orgânico (conquistado com o marketing de conteúdo do seu blog, por exemplo, ou formado por pessoas que procuram a marca diretamente).

Se sua estratégia de divulgação for bem planejada, é provável que você consiga bons resultados em vendas assim. Mas eles dificilmente serão tão bons quanto os que você pode alcançar quando comercializa em um marketplace.

Já que reúne diversas lojas virtuais em um mesmo endereço, ele é extremamente cômodo e atrativo para o consumidor, que encontra tudo o que precisa em um só lugar.

Ainda que seu negócio não tenha nada a ver com aparelhos de academia, por exemplo, um consumidor em busca de halteres pode pesquisar o produto em um marketplace e, durante a navegação pelo site, deparar-se com itens que você vende.

Além disso, os marketplaces mais consolidados do mercado têm grande autoridade entre os consumidores e também nos mecanismos de busca online (essenciais para que qualquer marca ou produto seja encontrado na internet, afinal de contas).

Quando alguém pesquisar especificamente um produto que você vende, é presumível que os marketplaces apareçam nos primeiros lugares, rankeados acima da sua loja.

Mais uma vantagem do marketplace para vendas é a otimização dos custos operacionais. Se você vende somente em sua loja virtual, todas as despesas com antifraude, gateway de pagamento, mídia paga, gestão de produtos e da plataforma, enriquecimento de dados e SAC, entre outros, são exclusivamente seus.

O e-commerce que também trabalha com marketplace reduz os custos em todas essas frentes, que passam a ser de maior responsabilidade do “shopping”.

Quais são os riscos?

O maior risco de estar em um marketplace é vender mais do que você está preparado.

A quantidade de visitantes únicos nesse tipo de site tende a ser muito maior que a da sua loja virtual, portanto você precisa estar seguro de que consegue atender à possível demanda de vendas que pode surgir.

Associar-se a um ou mais marketplaces é bastante vantajoso para diversificar seu preço e aumentar a visibilidade dos seus produtos, mas torna-se um risco se você ainda opera processos como a gestão de estoque manualmente (um erro grave, caso queira realmente escalar as vendas!).

Nesse caso, dois sites podem vender o mesmo item, por exemplo, e gerar transtorno e prejuízo para você e ainda mais para o cliente.

Muitas vezes, o marketplace funciona como uma guerra de preços, e você pode acabar em desvantagem em meio a tanta concorrência no mesmo site, se atualizar seu preço manualmente.

Riscos assim ficam bastante reduzidos se seus processos forem automatizados e você operar com integração de sistemas (que aumenta as vendas em qualquer e-commerce).

Integrar um ERP à gestão do estoque (WMS), por exemplo, e ambos aos marketplaces é fundamental para que você controle as vendas em cada um.

Pode liberar todo o estoque para ser comercializado em todos os marketplaces e interromper as vendas automaticamente quando ele chegar ao fim ou mesmo direcionar uma quantidade específica de produtos para cada site.

Qual é o momento certo para se juntar a um marketplace?

Não há restrições quanto ao tamanho dos e-commerces que podem comercializar em marketplace. Mas essa decisão deve ser tomada apenas quando você estiver pronto para vender em grande volume e ritmo crescente!

E isso só é possível quando seus processos estão bem estabelecidos e prontos para escalar.

Se a sua logística ainda for deficiente — o controle do estoque for manual, a gestão de produtos na plataforma de e-commerce ainda passar por planilhas, a comunicação com a transportadora falhar etc. — não é hora de trabalhar com um marketplace!

O anúncio dos seus produtos e a relação mais direta com o cliente passa a ser do site. E, como já dissemos, isso torna-o ideal para a marca que deseja escalar as vendas.

Mas só dá certo se todos os processos que precedem a chegada do produto na casa do cliente estiverem perfeitamente alinhados. Por isso, o momento certo para se juntar a um marketplace é quando os seus sistemas de gestão de e-commerce estiverem automatizados e integrados.

Como escolher o melhor marketplace para vendas?

Não existe um marketplace ideal para todos os e-commerces, portanto a sua escolha precisa levar em consideração as características da sua marca.

A taxa que você paga a qualquer marketplace incide sobre o valor das suas vendas, e não sobre a exposição do seu estoque no site. Mas essa taxa varia bastante!

Saber se ela vale a pena depende da comparação entre o dinheiro que você vai gastar nesse pagamento e o seu custo de aquisição por cliente se vender exclusivamente na sua própria loja virtual.

Lembre que vários gastos — como o SAC — são reduzidos, já que passam a ser majoritariamente do marketplace.

Avalie a comissão cobrada por cada site. Caso seja menor que seu custo de aquisição por cliente, pode valer a pena!

Também é importante analisar o segmento que os marketplaces que você está considerando atendem. Evidentemente, é interessante estar naqueles que contemplam especificamente o segmento da sua marca, mas vale considerar os generalistas também.

E é possível estar em mais de um ao mesmo tempo! A política comercial adotada em cada um não precisa ser a mesma: se a comissão cobrada por eles for diferente, você pode flexibilizar o preço dos seus produtos em cada um segundo essa variação ou variar o prazo de entrega, por exemplo.

O marketplace para vendas, como você percebeu, é uma excelente opção para o e-commerce que já está estruturado o bastante para vender em grande escala! Se você tem mais dúvidas sobre o tema ou experiências para compartilhar sobre o assunto, conte agora nos comentários!

Outros posts que podem te interessar

Entenda o que são APIs e plataformas de integração

Você sabe o que são APIs e o que elas têm a ver com o desenvolvimento do seu negócio? No dia a dia da gestão de um e-commerce, é natural que você se depare com uma grande variedade de termos técnicos de programação. Mas, ainda que não entenda o assunto profundamente, não há motivo para […]

Leia mais…

Aprenda mais sobre APIs neste post

As estruturas de microsserviços têm tomado conta do mercado de desenvolvimento de software nos últimos tempos e se provado a melhor solução para a integração de sistemas. Uma boa arquitetura de Application Programming Interface (API, interface de programação de aplicativos) conta com alguns segredos a serem desvendados pela equipe de Tecnologia da Informação (TI). Neste […]

Leia mais…

Além da taxa de conversão: 6 métricas essenciais de e-commerce

O sucesso, muitas vezes, está relacionado com o que podemos fazer hoje. Ou seja, se você tem a chance de avaliar as suas ações, confrontando-as com outros dados, consegue abrir caminhos para novas possibilidades. Com as métricas de e-commerce funciona exatamente assim, pois elas são essenciais para apontar direções, adequar estratégias e revelar oportunidades. Todas […]

Leia mais…